terça-feira, 29 de junho de 2010

Ainda da amizade

Os amigos são para as ocasiões. Frase batida, sim. Mas sempre actual. Porque são mesmo. E para todas as ocasiões. As más, as boas, as assim-assim, as divertidas, as parvas, as de chorar as pedras da calçada. São para essas todas e muitas mais. É quase como que um requisito para se ser amigo. Ai queres ser meu/minha amigo/a? Então sabes o que isso significa.
Os problemas dos amigos não nos chateiam, assim como esperamos que os nossos não os chateiem a eles. Senão era um verdadeiro contra-censo. Era contradizer o significado da palavra amizade. Amizade implica mesmo partilha e desabafo, só assim faz sentido, pelo menos para mim. Não imagino a minha vida sem ter os meus amigos com quem desabafar, com quem falar de tudo o que me vai na alma. Basta querer/precisar de o fazer e o primeiro que estiver disponível é com quem eu falo.
Faz-nos mal guardar tudo para nós. São angústias, ansiedades e dúvidas que guardamos cá dentro desnecessariamente. Ouvir a opinião dos outros, aqueles, os amigos, é mais do que importante. É fundamental. Ajudam-nos a ver as coisas de outra forma, chamam-nos à razão, trazem-nos à terra quando estamos a subir demais, porque quem está de fora tem outra perspectiva das coisas. E gosto que façam o mesmo comigo. Gosto de sentir que confiam. Até pode acontecer que as suas opiniões não façam com que mudemos a nossa, mas quanto mais não seja, que sirva para isso. Porque por mais que a amizade implique não esperar nada em troca, a verdade é que também gostamos que determinadas coisas sejam "retribuídas", não no sentido de gratidão (daí ter posto as aspas), mas no sentido de nos fazer sentir mais à vontade para partilharmos também os nosso problemas. Para mim não faz sentido de outra forma.
A verdade é que não somos super-humanos, que conseguimos ultrapassar tudo sozinhos. É mentira. Não conseguimos, de todo. O tempo ajuda, que sim, mas não é suficiente. Muitas vezes, senão todas, precisamos de colo e carinho e palavras amigas e festas no cabelo e abraços quentes e berros se preciso for e piadas sem piada nenhuma mas que só servem para nos fazer rir e telefonemas à hora que for. É assim. Ponto. Não há volta a dar-lhe.

2 comentários:

Anónimo disse...

Ainda bem q temos amigos... :)

Liliana disse...

É verdade... ainda bem q temos amigos :)