segunda-feira, 27 de abril de 2009

Amizade

Há gestos no dia-a-dia que nos deixam sem palavras.
São gestos que são iguais a amizade, mesmo.
Deixam-nos sem saber o que dizer ou fazer. E muitas vezes nem são precisas palavras. Basta agradecer, nem que seja com o olhar ou com um abraço.
Neste caso, uso as palavras para agradecer. E deixo beijinhos às meninas. ;)

quarta-feira, 22 de abril de 2009

"Como se não houvesse amanhã"

"Como se não houvesse amanhã" é uma expressão onde cabe tanta coisa.
Quase não é preciso dizer mais nada quando se utiliza.

Gosto de palavras/expressões assim, que resumem tudo. Muitas vezes, são as mais simples que dizem mais e, por isso, deviam ser as que utilizamos para expressar aquilo que sentimos. Quase sempre complicamos aquilo que é tão simples de dizer. E não vale a pena, quase nunca.

"Como se não houvesse amanhã" é gostar muito, é querer muito, demasiado, até ao máximo de nós. É querermos dizer o que sentimos no presente, porque se não houver amanhã, quando é que o dizemos?

Música que vai na minha cabeça: "Once I found you" - Rita Red Shoes

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Escrever

Desde pequena que gosto de escrever.

Escrevia quadras que não significavam nada (algumas eram mesmo ridículas), mas o que interessava é que rimavam no fim; adorava aqueles "textos livres" que tínhamos que escrever na escola, sobre o que nos apetecesse (daí o serem livres, pois...) e que, na maioria das vezes, eram sobre a Primavera, ou sobre o que gostamos de fazer nos tempos livres, ou sobre as nossas férias de Verão ou o que gostávamos de ser quando fossemos grandes.
Dava largas à imaginação e, no fim, gostava de ler em voz alta aquilo que tinha escrito.

Ainda hoje adoro escrever.
Já não escrevo aquelas quadras, acho mesmo que já nem tinha capacidade para as fazer rimar.
Mas escrevo mesmo assim. O que me vai na alma, quase sempre. Sobre coisas que vejo, sinto, penso, leio durante o dia e que me inspiram logo ali, que me fazem querer ter logo onde escrever, para não esquecer nenhuma ideia, nem nenhuma frase ou palavra, porque depois, a mesma frase com outra palavra já não vai ter o mesmo sentido.
A maioria das vezes, as ideias fluem assim, como agora, em que simplesmente quis escrever sobre escrever e parece que as palavras saem da ponta dos dedos directamente para as teclas do computador. Depois há outra alturas em que quero escrever e as palavras parecem presas e não há maneira de se mostrarem.

Além do mais, gosto de ler tudo o que me inspire a escrever. Deixa-me a vontade de escrever igual. Seja uma simples frase, um poema, um texto, um artigo de opinião, um livro inteiro, quase sempre. Sublinho as frases que me inspiram essa vontade ou que simplesmente me chamaram a atenção por reflectirem exactamente o que sinto no momento em que as leio.

Escrever ajuda-me a descontrair, a expressar muitas vezes aquilo que não diria de outra maneira, por isso, procuro as palavras todas que me ajudem a fazê-lo, para que não fique nada por dizer. Há mesmo coisas que só se dizem por escrito, quanto mais não seja porque parece que faladas não têm o mesmo significado, nem ficam registadas da mesma maneira. Dão para ler e reler novamente, sempre que se quiser. Num dia significam uma coisa, noutro significam outra completamente diferente (até mesmo oposta), dependendo do estado de espírito com que se lê. E é também disso que gosto, do que sinto quando leio determinadas coisas e de como fico diferente depois de as ler.

Fotografias

Gosto de fotografias, pelo momento que retratam e que não se volta a repetir, pelos sorrisos que permanecem, pelas saudades que trazem e pelas memórias que representam, pela amizade que transparecem e que às vezes transborda da fotografia, porque enchem e iluminam uma parede e uma moldura e um quarto e uma casa e porque fazem com que os sítios sejam mais nossos.

É certo que por vezes é preferível simplesmente registar o momento na memória, mas a verdade é que as fotografias ajudam a alma a não esquecer.

Ah, e o dia de ontem foi perfeito. :)
Gosto assim, de sentir que é ali que eu quero estar, porque é ali que faz sentido que eu esteja.

Venham mais dias assim, perfeitos e cheios de fotografias.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

"Into the Wild"

Último filme visto: "Into the Wild".

Uma história verídica de um rapaz que, após terminar o secundário, decide fugir da sociedade e experimentar a vida selvagem. Sozinho, sem dinheiro, sem controlo, sem tempo, só ele e a Natureza, no seu estado mais selvagem. Deixar-se levar por ela, arriscando tudo. Liberdade é a palavra-chave, mas a liberdade levada ao extremo.
Um filme intenso, que fica na cabeça, mesmo depois de acabado, talvez por saber que tudo aquilo aconteceu mesmo e por ter um final trágico e que impressiona.
Paisagens magníficas, frases que deixam a pensar, banda sonora fantástica.
Deixou-me a vontade de ver outra vez, isso sem dúvida.

"If we admit that human life can be ruled by reason, then all possibility of life is destroyed."
Porque às vezes, vale mais deixarmo-nos levar pelo coração.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Decidi reler "O Principezinho"

Só porque sim, porque me apetece.
Talvez porque sei que me vai trazer recordações antigas. Porque é um livro que aconchega o coração. Mas um aconchego bom, daqueles quentinhos, de Domingo ao final da tarde.
Porque sei que está cheio de frases verdadeiras, daquelas que tocam num sítio que só de vez em quando nos lembramos que existe.
Porque quero relembrar que as coisas vistas por uma criança são sempre mais simples.


Frase #1

Porque eu gosto de frases que me dizem algo e me deixam a pensar, vou começar a escrever aqui algumas das que mais gostei, quanto mais não seja, para não me esquecer delas.

"There comes a time in life when you have to let go of all the pointless drama and the people who create it and surround yourself with people who make you laugh so hard that you forget the bad and focus solely on the good. After all, life is too short to be anything but happy."

Bem verdade que é. ;)

Encontrado aqui.

Música que vai na minha cabeça: "Hometown Glory" - Adele

segunda-feira, 6 de abril de 2009

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Quem é que não queria?

Que atire a primeira pedra quem não queria estar numa ilha paradisíaca, de areia fina e branquinha, de mar transparente, com sol e calor, de férias, de papo para o ar, sem preocupações, a ver o tempo a passar.

Alguém se chega à frente?
Eu não, de certeza.

Sonhar é bom. :)

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Ontem foi o Dia das Mentiras

Mas não é mentira nenhuma...

... que estou feliz, mais leve, preenchida
... que rio mais, de tudo e de coisa nenhuma
... que os dias e as noites fazem agora mais sentido e têm mais significado e são mais coloridos e alegres e completos
... que o tempo passa depressa demais quando devia passar d-e-v-a-g-a-r-i-n-h-o e passa m-u-i-t-o d-e-v-a-g-a-r-i-n-h-o quando devia passar mais rápido.

Não é mesmo mentira e ainda bem. :)

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Um mês de...

... cafés só de música e conversa
... início de uma história
... um ano do meu rasganço
... surpresa pré-avisadas, mas que continuam a ser surpresas
... almoços italianos e jantares caseiros
... filmes que se queriam há muito ver
... lanches à beira-rio
... gelados e crepes com topping de chocolate negro
... passeios a pé, a sujar os sapatos, a fazer doer os pés e as pernas, a descobrir sítios novos, a levar com o vento na cara
... passeios de carro
... gargalhadas e sorrisos parvos
... lembrar velhos tempos e recordações comuns
... cinema a dois
... abraços apertados
... algumas fotografias e tentativas de fotografias
... muitas borboletas na barriga
... estar só assim, juntinhos
... mensagens, muitas mensagens
... fazer planos e sonhar
... de coincidências e coincidências.

Um mês cor-de-rosa, mas estou à espera das outras cores. :)